PERÍODO LETIVO SUPLEMENTAR (PLS)

   Devido à impossibilidade das aulas presenciais, o Período Letivo Suplementar permitirá o adiantamento de algumas disciplinas para parte dos alunos, levando ao "desafogamento" das turmas, uma vez que, quando as atividades presenciais forem retomadas, as salas de aula estarão menos cheias. Com isso, evita-se a aglomeração de pessoas e reforça-se a segurança para todos.

     A Resolução que regulamenta o PLS encontra-se embasada na Portaria Nº 544 do MEC e nos pareceres 05 e 011 do Conselho Nacional de de Educação (CNE), que regulamentam o ensino não presencial, emergencial e temporário em função da pandemia da Covid-19.

DISCIPLINAS DISPONÍVEIS DURANTE O PERÍODO LETIVO SUPLEMENTAR (PLS) 

                                               

                                                    

DÚVIDAS FREQUENTES 

O que é PLS e quem o aprovou?

    O Período Letivo Suplementar é uma alternativa temporária e não obrigatória, suplementar ao semestre 2020.1. O PLS foi aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Ufra e foi elaborado por uma Comissão, formada por 29 membros, composta por docentes, discentes e técnicos.

Distribuição de carga horária?

    Segundo o Art. 30. “Para fins de progressão funcional, a carga horária das atividades de ensino registradas no PLS (2020.5) poderá ser acrescida no período letivo 2020.1 e/ou 2020.2 do interstício de progressão docente.”

Plano de Ensino Emergência? O que é?

   É uma adaptação do plano de ensino convencional, onde o docente deverá apresentar como pretende ofertar e quais ferramentas irá utilizar durante o PLS. Diferente do plano de ensino convencional, este deverá ser apresentado aos alunos antes do período de matrícula, para que possam conseguir se ajustar as disciplinas dentro das ferramentas disponíveis.

Oferta de turma especial?  

   A resolução da PLS não prevê nada a respeito. Contudo, o Art. 29 flexibiliza o número mínimo de discentes, considerando a existência de formandos nas turmas. O Art. 18, em seu paragrafo 2º, deixa claro que as coordenações podem montar os horários de forma condensada. Então, apesar de não abordar a possibilidade de turmas especiais, o PLS flexibiliza duas características para possibilitar a oferta aos formandos.

Limite de alunos nas turmas?

    De acordo com o Art. 29 da Resolução 571, “O número de vagas para os CC será definido pelo docente, respeitando o limite mínimo de 10 (dez ) vagas por turma e máximo de 99 (noventa e nove) vagas, exceto para turmas que haja alunos formando(s) matriculado(s).”

O número máximo de discentes foi estabelecido considerando ao limitação da plataforma oficial de vídeo conferência (Google meet), que passará em setembro a suportar apenas 100 convidados nas salas: 99 discentes + 1 docente. Contudo, recomenda-se que para ao número mínimo de vagas, quando possível, seja igual ao número de vagas do respectivo curso, garantindo que maiores números de estudantes tenham a oportunidade de se matricular.  

É obrigatória a oferta de disciplinas?

   Não. Segundo o Art. 5º, “No PLS serão ofertados componentes curriculares de caráter eletivo optativo e obrigatório que possam ser viabilizados a partir do interesse mútuo dos discentes e docentes.” E, de acordo com o Art. 21, “É facultada aos docentes a oferta de CC e outras atividades acadêmicas no PLS, propostas pela coordenadoria.”  É importante lembrar que a oferta impactará diretamente na vida dos discentes. Um dos critérios mais importantes que o docente deve levar em consideração é a característica do componente curricular.

2019 Instituto da Saúde e Produção Animal - UFRA

Avenida Presidente Tancredo Neves; Nº 2501

Bairro Terra Firme; CEP 66.077-830

Belém Pará Brasil